William Bridges, renomado consultor americano que trouxe grande contribuição para o gerenciamento da transição para indivíduos e empresas nas últimas décadas, nos ensina que:

- uma coisa é uma mudança no mundo que nos cerca, enquanto uma transição é o processo interno que atravessamos em resposta a essa mudança

- as mudanças são eventos e situações transições são experiências

- independentemente da mudança que a desencadeia, a transição tem uma forma previsível

- enquanto a mudança tem duas etapas, uma situação antiga e uma situação nova, a transição tem três fases que se sobrepõem:

1 &ndash Uma finalização, durante a qual a pessoa se desvincula da identidade anterior e rompe com sua vinculação com &ldquoa maneira como as coisas eram&rdquo

2 &ndash Uma zona neutra, na qual a pessoa se encontra entre duas maneiras
de ser e de fazer, tendo perdido a antiga, mas ainda não tendo encontrado um modo de conviver com a nova

3 &ndash Um reinício, em que a pessoa passa a sentir-se novamente confortável e em equilíbrio com a nova identidade baseada nas novas condições.

A TRANSIÇÃO EM TRÊS ETAPAS, SEGUNDO BRIDGES: finalização, zona neutra e reinício.

- um de nossos equívocos comuns é pensar que se as pessoas compreenderem as mudanças e aceitarem sua necessidade, estarão prontas para &ldquose adaptarem ao novo. Quando não se adaptam, falamos que as pessoas são resistentes à mudança

- ao que as pessoas realmente resistem é à transição. Elas resistem a três experiências que são muito perturbadoras:

1 &ndash Resistem a dizer adeus ao mundo que lhes deu sua identidade e seus sentimentos de realização e felicidade

2 &ndash Resistem à caótica confusão da zona neutra, onde parece que tudo está
ao alcance para ser agarrado &ndash só que ninguém conhece as regras do jogo

3 &ndash Resistem arriscar-se a experimentar alguma coisa completamente estranha, e ao mesmo tempo apostar tão alto num modo não experimentado de
ser e fazer.

- a transição em sua etapa inicial nos desafia a lidar com perdas &ndash tipicamente de velhas rotinas familiares e formas de fazer as coisas, identidade social, papel profissional, status, dinheiro e relacionamentos

- para avançar pela zona neutra você precisa perguntar a si mesmo quais transformações interiores deverá fazer por conta da transição. Que novas necessidades desafiarão você a encontrar novas maneiras de se afirmar? Por causa da mudança, que partes de você estão agora ultrapassadas?

- ironicamente, o reinício será a parte mais fácil da transição a ser realizada a finalização e a zona neutra são os mais difíceis e potencialmente perigosos.

Quando achamos difícil fazer um reinício, geralmente é porque não realizamos completamente a finalização. Ou seja, achamos difícil fazer um reinício porque não nos detivemos o tempo necessário na zona neutra para alcançar a reorientação e a renovação que ela torna possíveis. Podemos, por exemplo, ficar tão ansiosos e confusos com a zona neutra que não conseguimos vislumbrar qualquer possibilidade além das coisas familiares com as quais estávamos acostumados antes da mudança.

Fonte: www.comoequilibrarvidaecarreira.blogspot.com
com Marco A. de Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>